DNIT pode ser responsabilizado por acidentes causados por equipamentos instalados em rodovias

Na manhã de segunda-feira 8 de julho, um grave acidente na BR-386, entre Sarandi e Carazinho, causou a morte de duas pessoas e testemunhas apontaram para um identificador de veículos como causa.

Os motoristas relataram que o aparelho, instalado na cabeceira de uma ponte, assustou o condutor de um carro, que pisou no freio e foi atingido por uma carreta. Depois a carreta atingiu outros veículos. Tanto o motorista de um Uno quanto o caminhoneiro morreram no local.

Usuários da rodovia questionaram a localização deste equipamento, alertando que mais acidentes acontecerão.

O especialista em Trânsito Gilmar Teixeira Lopes afirmou que a instalação dos equipamentos em rodovias devem passar por um estudo profundo na parte de engenharia, especialmente na análise de possíveis acidentes.

Em relação as mudanças propostas pelo presidente Jair Bolsonaro, que orientou desligar os pardais de fiscalização nas rodovias federais, o especialista disse que ao desligar o equipamento o mesmo deve ser retirado do local até o dia seguinte, para evitar acidentes.

Para Lopes, caso o estudo não tenha sido feito no local, a responsabilidade é das autoridades.

Gilmar explicou que não é mais necessário a rodovia estar sinalizada alertando que possui fiscalização, e que o aparelho precisa estar extremamente visível para os usuários da rodovia.

Sobre a instalação do equipamento na cabeceira da ponte, o especialista disse que contrapõe qualquer interesse de engenharia.

Lopes afirmou que a responsabilidade é do órgão orientador, neste caso o DNIT, e do engenheiro que autorizou a instalação do equipamento no local.

© 2019 por "Grupo SBC de Comunicações". Portal de Divulgação.

AREA DE ADM