A partir dessa eleição, passado ficou para trás e eu na planície", diz Maia


Emocionado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez seu último discurso no cargo e disse que comandar a Casa foi a maior honra de sua vida. Depois dos atritos com o candidato apoiado por Jair Bolsonaro, Arthur Lira (PP-AL), favorito na disputa, Maia adotou um tom conciliatório, disse que as brigas ficaram para trás e afirmou ter certeza de que qualquer dos candidatos que vencer a eleição vai trabalhar "para que tenhamos orgulho e respeito de sermos deputados".

"Apenas um de vocês terá a enorme honra de presidir a nossa Câmara dos Deputados - me preparei pra não chorar - honra que tive pelos últimos quatro anos e sete meses, em que tive a oportunidade de conhecer melhor o meu País através de cada um de vocês, através de diálogos, de visitas que fiz com alguns de vocês, de conversas na residência da Câmara", disse, muito aplaudido pelos presentes.

"A partir desta eleição, o passado ficou pra trás, e nós precisaremos, unidos, e eu na planície, no plenário, com muito orgulho, com cada um de vocês, construir o futuro do Brasil, não pelos próximos dois anos, mas para os próximos 20 anos", acrescentou.


Depois do bate-boca com Lira na reunião de líderes, Maia, que apoia Baleia Rossi (MDB-SP), pregou o restabelecimento da paz na Câmara e pediu desculpas a Lira. "As brigas passaram. Vamos eleger o novo presidente. Tivemos um momento de mais atrito, no meu caso, com a candidatura do deputado Arthur Lira. A ele e a aqueles que o apoiam, se algum momento se sentiram ofendidos pelo que falei, não foi a minha intenção", disse. "Eu admiro cada um dos deputados e das deputadas, tenho orgulho de ser presidente desta Casa, e mais do que isso, tenho orgulho de ser deputado federal", afirmou.

2.png
G3.png