MP-RS irá reabrir inquérito sobre morte de ex-marido de Alexandra Dougokenski



Desarquivamento acontece após promotor entender que a mãe de Rafael Winques tem uma capacidade de cometer “crimes cruéis, alterar o local dos delitos e, ainda, atuar, teatralmente”

O Ministério Público solicitou à Justiça o desarquivamento do inquérito policial que apontou suicídio como causa da morte do ex-marido de Alexandra Dougokenski, acusada pelo assassinato do filho Rafael Winques, de 11 anos.

José Dougokenski foi encontrado morto dentro de casa com uma corda no pescoço, em 2007, no município de Farroupilha. “Naquela ocasião, entendi que o expediente policial merecia ser arquivado, pois a observações feitas pelos peritos que elaboraram o Laudo Pericial diziam, ‘com grande margem de certeza, que se tratava de morte autoinfligida, ou seja, um suicídio por enforcamento’”, explica o promotor de Justiça de Farroupilha, Ronaldo Lara Resende.

No entanto, conforme noticiado pelo Ministério Público, diante de novos elementos apresentados ao MP acerca de possíveis falhas nas perícias oficiais, Ronaldo Lara Resende entendeu que deve ser realizada uma nova e mais acurada análise do caso. Na promoção pelo desarquivamento, o promotor diz que a “grande margem de certeza” apontada não exclui a possibilidade dessa margem ser derrubada, se assim for demonstrado, com a reabertura das investigações.

- Embora não se vislumbre, salvo melhor juízo, uma falha nos laudos periciais, o fato é que os peritos não examinaram o contexto que somente agora foi apresentado e é inquestionável: a capacidade de Alexandra - única ‘testemunha’ da morte de José – em cometer crimes cruéis, alterar o local dos delitos e, ainda, atuar, teatralmente, quando instada a falar sobre os eventos a que deu causa -, pontua o promotor. Resende ainda lembrou que, durante a investigação, uma testemunha referiu, em juízo, que em determinada ocasião, Alexandra confessou ter matado José.

Diante desses fatos, o Ministério Público pediu a reabertura da investigação, e que seja encaminhado ao Instituto-Geral de Perícias (IGP) de Caxias do Sul o material entregue à promotoria para que os peritos que elaboraram e assinaram os laudos façam os esclarecimentos que entenderem pertinentes.

© 2019 por "Grupo SBC de Comunicações". Portal de Divulgação.

AREA DE ADM